sábado, 12 de fevereiro de 2011

Ema e as suas oito vidas

Dizem que os gatos têm sete vidas. Pois bem, a Ema já conta com mais no seu curriculum. Tem trinta e cinco anos, e já viveu oito. Ela é muito despachada. Acho que isso tem muito a ver com o modo elegante como vive cada uma dessas vidas – sim, as oito vidas ocorrem-lhe em simultâneo e por isso ela tem de as viver ao mesmo tempo (às vezes, com poucos segundos para respirar entre cada uma delas). Na minha opinião, a Ema é uma atleta de alta competição: uma malabarista de alta competição que, recorrendo a manobras diversas, mantém todas as peças no ar: objectos em fogo, pedaços de madeira, pinos de bowling, … – todas as oito vidas - quero eu dizer – no ar. São manobras, mas não são truques naquele sentido sujo da palavra. (Sei que o malabarismo não é considerado um desporto de alta competição mas eu sempre achei que deveria ser.) A elegância da Ema, às vezes, só se esvai quando lhe sobe o coração à boca e vemos formar nos seus lábios os sons de palavras que eu, por pudor, não revelo. Mas confirmo que é a sua elegância de vida – aquela que ela transporta na altura do seu corpo e da sua alma - que a faz conseguir gerir as vidas todas que vive. Não tem tempo para esperar, como ela diz, por isso tem de seleccionar com rigor. Não tem tempo para gente que não se decide. Não tem tempo para gente que não sabe lutar pelo que quer. Não tem tempo para esperar. A esperar, só se for pelo gato aquele que, entretanto, já tem menos vidas que ela.

2 comentários:

Anónimo disse...

Porque será que este texto me fez pensar na Patrícia, tão querida,de quem eu tanto gosto e que tanto admiro?
Beijinhos grandes. Tenho saudades tuas.
Guida

LuzAzul disse...

Eu acho que este texto é para TODAS ( ou melhor! para algumas!) mulheres. Nós, mulheres, desdobramo-nos e fazemos os maiores malabarismos para conseguirmos dar conta do recado, que por nossa escolha ( mas não só) nos obrigam a fazer diariamente. Por mim, parece-me que já tenho mais do que 8 vidas... um dia destes conto-as e mando.te o resultado...
Não são os papéis que representamos... são mesmo vidas...